Apresentação | Biografia | Discografia | Discos | Links | Fatos e Fotos | Fã-Clube | Livro de visitas

MUSEU DO BOIADEIRO


Rubião Junior



Museu do Pião

Acolhedora entrada do Museu do Boiadeiro, em Rubião Jr., Botucatu (SP)




A História




Em meu trabalho de resgatar nossa história, a verdadeira história 
de nosso país, procuro sempre visitar pessoas que se interessam 
pelo assunto.

No início de fevereiro de 2004, em companhia de meu amigo e violeiro 
dos bons, Ramiro Vióla, fui conhecer o Museu do Boiadeiro.
Este museu, criado por Moacir Fabiano, situa-se no distrito de 
Rubião Junior, em Botucatu, São Paulo.

Oficializado pela Prefeitura de Botucatu em 2000, graças aos 
esforços de muitos anos do Moacir, foram coletados centenas e 
centenas de objetos que representam o universo de nosso povo 
da zona rural,ou seja dos peões e boiadeiros da região.
Embora estes objetos estejam, em minha opinião, dispostos de 
maneira precária no local em que se encontram, merecendo um espaço
adequado, com armários e peças etiquetadas, é fundamental uma visita 
de todos os que viveram ou querem conhecer como viveram 
nossos ascendentes. 

Em sala anexa, temos a exposição de utensílios domésticos,
telefones, eletrolas, documentos e muitas coisas mais dos velhos 
tempos e que são conservadas no museu.






Trilha sonora: PIÃO DE BOIADEIRO
Autor: João de Mello Macedo - Poeta de Tanabi
Moda cantada por Vieira e Vieirinha - Itajobi
Gentileza de Aguinaldo José de Góes - Comissário da Comitiva "Boi Soberano" de Tanabi(SP)





Museu do Pião

Vista lateral do museu, mostrando em destaque um monjolo muito antigo.



Não sabe o que é um monjolo? Leia este delicioso texto do Prof. Rubem Alves.

Sobre monjolos e carros de boi


Museu do Pião

Placa da inauguração do Museu do Boiadeiro (2000)





Museu do Pião

Carro de boi feito de cabreuva, totalmente encavilhado em madeira, sem uso de parafusos metalicos. À frente, pilão antigo e uma guampa de chifre, conhecida como "azeiteiro", pois em seu interior é colocado óleo de mamona, o qual é aplicado na cantadeira, com o pincel do azeiteiro.





Museu do Pião

Detalhe da roda, com os "gatos", peças metálicas que reforçam a roda e a cavilha triangular que a prende ao eixo do carro.





Museu do Pião

Utensílios usados pelos boiadeiros de comitivas em suas viagens de transporte de gado. São tripés, grelhas, gamelas, bules, chaleiras, panelas, tachos, frigideiras, tudo em ferro ou cobre. Ao lado, os famosos ferros de passar à carvão.





Museu do Pião

Púlpito lavrado em madeira para homilias. Pertenceu a Igreja de Santo Antonio do Catigeró ou Igreja de Santo Antonio do Morro de Rubião.





Museu do Pião

"Cilhões" ou selas próprias para as donzelas, que ficavam sentadas de lado. Por isto, só tinham um estribo, do lado esquerdo.





Museu do Pião

Detalhe de uma sela própria para as donzelas, mostrando o estribo achinelado prateado, do lado esquerdo.





Museu do Pião

Alguns tipos de varas usadas pelos boiadeiros para tanger bois, como a "vara de ferrão" em cima, vara para tanger porcos, com uma espora circular na ponta, forcados, etc. Além das varas vemos algumas miniaturas de monjolos, estribos, lanternas e facões.





Museu do Pião

Detalhe de um ferrão, usado na vara para que o carreiro fizesse com que os bois o obedecessem.Tinha uma ponta afilada e argolas que tilintavam, avisando os bois que lá vinha uma espetada.Às vezes, bastava o som das argolas para que os bois cumprissem sua tarefa.





Museu do Pião

Roda de carro de boi com pequenos utensílios, entre eles, ferraduras, guampa,"formiga", peça metálica em forma de alicate que era colocada no nariz para "amansar o boi", ao lado, um gancho triplo em forma de anzol para tirar latas perdidas dentro de poços, etc.





Museu do Pião

Cargueiros, utilizados pela comitiva para transportar tudo aquilo que era necessário em uma viagem. Os cargueiros eram compostos pelas bruacas (cestos de couro cru) e transportados em lombo de burros. O arreiamento tinha sinetas de vários tipos, que eram tocadas e anunciavam a passagem da tropa. Quer conhecer mais sobre as famosas comitivas? Clique aqui ou Clique aqui







Museu do Pião

Peça de couro que é utilizada pelos boiadeiros para o transporte
de sua capa de chuva (poncho).






Museu do Pião

O dobro é uma peça muito utilizada para transportar roupas
e objetos dos peões da comitiva. Esta é feita de couro,
mas normalmente, é confeccionada de lona e pode ter
enfeites ou correias de couro.






Museu do Pião

Peneiras e cestos variados e mais alguns ferros de marcar o gado.





Museu do Pião

Guampas, armas de fogo, estribos,balanças e até uma telha "francesa", francesa mesmo...





Museu do Pião

Peça metálica utilizada para guardar pólvora para as cartucheiras e pica-paus. Na parte inferior existe um dosador que separa a pólvora na medida exata.





Museu do Pião

Faca dobrável com cabo de chifre de veado. Atrás, uma maleta de trabalho de uma parteira.





Museu do Pião

Lampeão metálico à querozene. Possuia uma mecha colocada no bico e que de acordo com a inclinação do recipiente, modificava o facho luminoso.





Museu do Pião

Balança metálica de escala vertical. Ao lado, um prendedor de papéis em forma de mão.





Museu do Pião

Peças variadas, como talheres, facões, arrolhador de madeira (ao centro), navalha, abridor de garrafas, etc.





Museu do Pião

Torrador de café, alimentado por carvão vegetal ou lenha.





Museu do Pião

Tralha para coar café nas comitivas: suporte, coador de pano e bule de metal.





Museu do Pião

Caixa de madeira, denominada "quarta", com o volume de 12,5 litros e que era amplamente utilizada para a medição de cereais, como arroz, milho etc. A unidade de medida eram 50 litros, ou seja, quatro quartas, daí o nome da peça.





Museu do Pião

Cadeados de vários formatos.





Museu do Pião

Debulhador de milho metálico.





Museu do Pião

Um belíssimo berrante de comitiva que era soprado pelo "ponteiro", integrante da comitiva que ia à frente, conduzindo o rebanho.

Quer conhecer mais sobre o berrante e seus vários toques? Clique aqui




Museu do Pião

Poltrona antiga, com revistas da década de 20. Em destaque, "O Cruzeiro", de 1929.





Museu do Pião

Pia batismal centenária.





Museu do Pião

Santo Onofre, esculpido em madeira.





Museu do Pião

Gramofone antigo, tendo ao fundo um quadro com Angelino de Oliveira, insígne compositor botucatuense.





Museu do Pião

Orgão "Mannborg". Em cima duas harmônicas e ao lado um móvel toca-discos, à manivela.





Museu do Pião

Detalhe do toca-discos, que tocava as famosas "bolachas" de 78 rpm.





Museu do Pião

Discos 78 rpm, da década de 1930. Alguns eram gravados só de um lado.





Museu do Pião

Máquinas de costura e um telefone de mesa à manivela.




Museu do Pião Museu do Pião


Tipo de óculos de aumento, usado em teatros e concertos pelas senhoras da sociedade. Seu nome em francês é "lorgnettes" e é aberto com um simples apertar de um pequeno botão. Usados entre 1875 e 1920.





Museu do Pião

Quadro de José Gomes Pinheiro Machado, fundador de Botucatu. (1784-1848)





Museu do Pião

Máquina de escrever "Olivetti", mata-borrão, bolsa de couro para guardar fumo e até uma precursora da famosa "facit", máquina de calcular muito usada na década de 50. À direita uma central telefônica muito antiga.





Museu do Pião

Fotos antigas de comitivas das quais participou o amigo Moacir.





Museu do Pião

Carro de boi com 6 parelhas de bois. Puxava uma carga de mais de uma tonelada.




Museu do Pião Museu do Pião


Telefone de manivela - décadas de 30 a 50





Museu do Pião

Máquina de escrever "Remington" sobre uma cadeira especial de fotógrafo. Esta possuía um apoio regulável para manter a nuca da pessoa fotografada imóvel.





Museu do Pião

Ao centro, uma lança de ponta metálica, chamada de "zagaia". Utilizada pelos caboclos para matar onças.





Museu do Pião

Formas de madeira, próprias para a fabricação de queijos frescos.





Museu do Pião

Serra para cortar madeira,cuja lâmina era tensionada através de um encordoado na parte superior e que tinha uma trava também de madeira.





Museu do Pião

O criador do Museu do Boiadeiro, Moacir Fabiano, à esquerda, que tão bem nos recebeu e nosso amigo Ramiro Vióla, também um grande admirador do museu.



Os interessados em conhecer o Museu do Boiadeiro poderão contatar o Sr. Moacir e agendar uma visita
através do telefone (014) 3813-8245, em Rubião Jr.